Ponta Grossa tem o maior PIB industrial do interno do PR | A Rede

//Ponta Grossa tem o maior PIB industrial do interno do PR | A Rede

Ponta Grossa tem o maior PIB industrial do interno do PR | A Rede

Valor adicionado da indústria, de quase R$ 4,6 bilhões, revelado no último PIB, é o 53º maior do Brasil. Dia da Indústria é divulgado nesta quarta-feira

Nesta quarta-feira, dia 25 de maio, é confirmado o Dia da Indústria. É a data de um dos setores mais representativos para a economia ponta-grossense, que gera muro de 30% do Resultado Interno Bruto (PIB; ou seja a soma da geração de todas as riquezas) municipal, setor que movimentou R$ 4,6 bilhões (Valor Adicionado Bruto da Indústria) em 2019, ano do último levantamento solene, divulgado pelo IBGE. Ponta Grossa tem o maior parque industrial do interno do Paraná – o Valor Adicionado da indústria dos outros municípios, Londrina e Maringá, por exemplo, atingiu R$ 3,2 bilhões.

Esse valor do PIB coloca Ponta Grossa na 53ª no ranking vernáculo no contexto da geração de riquezas na indústria, com uma participação de 0,33% de toda a indústria vernáculo. Ou seja: R$ 30 industrial, cada gerado em país rico, no ramo, R$ 1 sai de Ponta Grossa. Entre os outros maiores municípios paranaenses, exclusivamente Araucária e São José dos Pinhais têm na indústria a sua maior manadeira de geração de riquezas. Em Ponta Grossa, a fica detrás do setor de serviços em geração de riquezas, mas entre elas é uma indústria única que tem uma indústria na segunda colocação: Cascavel, Curitiba, Guarapuava, Londrina e Maringá não têm negócio a sua segunda maior manadeira de riquezas , detrás do setor de serviços.

Essa industrialização em Ponta Grossa despontou ainda no século XIX, com a instalação da cervejaria que viria a se tornar a Adriática, no núcleo da cidade, em 1894. A industrialização ‘explodiu’ na cidade entre o final dos anos 1960 e início dos anos 1970 , com a instalação das grandes moageiras (Cargill, Sanbra [hoje Bunge] e Coimbra [hoje Louis Dreyfus]), no primeiro ciclo industrial. A industrialização acelerada com o segundo ciclo, a partir da segunda metade dos anos 1990, com Kaiser [hoje Heineken]Tetra Pak, Continental, Masisa [hoje Arauco], entre outras; e posteriormente com o terceiro ciclo iniciado em 2011, e que segue até hoje, com anúncios de expansão e novos portes, uma vez que DAF, Ambev, Madero.

José Loureiro, secretário municipal de Indústria, Negócio e Qualificação Industrial, destaca-se que essa média vernáculo foi fundamental para o incremento de Ponta Grossa nos últimos anos, mormente pela geração de riquezas e primordiais e econômica que foi apresentada uma vez que profissional. “Buscamos sem por trazer oportunamente porque, além de gerar impostos para o município, que é importante, fomenta a geração de trabalho, o que é muito relevante. Uma indústria, de forma direta e indireta, 300, 400, 500, até mais de milénio vagas de trabalho, e uma vez que uma indústria paga mais que outros setores, Eleva o potencial de consumo, e ajuda a cidade a se desenvolver, movimentando o negócio e os serviços”, destacou.

Industrialização traz benefícios sociais

O secretário José Loureiro reforça que a industrialização também traz benefícios sociais. “Indústrias geralmente têm planos de saúde e de odontologia, com isso ele e a família não mantêm a manutenção dos postos de saúde, e isso mantém o município”, alega o secretário. “Por isso benefícios fiscais e perder empregos, vamos trabalhar para gerar muitos empregos, porque vão trabalhar para gerar muitos empregos, que vão com outros impostosr, uma vez que o ISS que os terceiros vão trabalhar . E aí começa o ciclo de desenvolvimento”, conclui.

Investimentos em realização no PG passam de R$ 4 bilhões

A cidade de Ponta Grossa segue em tempo de grande industrialização. Entre os bilhões de investimentos, que ampliam as ampliações estão entre He bilhões, Ambev, Continental, DAF, Makita, Agrocete, Águia, Biofrag e Chesiquímica, totalizando que superam R$ 2. Entre novos investimentos em realização os R$ 102 milhões estão investidos pela Tatra, em uma fábrica de caminhões; os R$ 460 milhões da Unium, em uma queijaria; o montante de R$ 1,6 bilhão, inicial, da Maltaria Campos Gerais, projeto da intercooperação. Esse projeto, no entanto, alcançará R$ 3 bilhões em sua segunda tempo, projetado para ser concluído até 2032. Ou por outra, o município aguarda a resposta da Nisin, que projetará até R$ 1 bilhão em uma novidade indústria, que pode ser na cidade; Assim uma vez que a resposta da Ambev, que investirá R$ 870 milhões em uma fábrica de vidros no Paraná.

Tetra Pak, Heineken e Ambev lideram em geração de riquezas

Em 2020, a empresa que teve o maior valor adicionado (lucro bruto) foi para a Tetra Pak. empresa de embalagens liderou ranking com mais que o duplo de vantagem sobre a segundaria A segunda, a cervejaria Heineken, ao passo que a terceira o foi a uma cervejambev. As duas cervejarias, aliás, são as empresas da cidade que mais pagam ICMS para o estado, imposto que retorna em 25% para os municípios. Depois, no ranking do VA, aparecem um Continental, um Crown, um Bunge, um Cargill, um Louis Dreyfus e um LP Brasil.

Source link

By |2022-05-24T23:53:16-03:00maio 24th, 2022|Categories: Noticias|Comentários desativados em Ponta Grossa tem o maior PIB industrial do interno do PR | A Rede

About the Author:

Ponta Grossa tem o maior PIB industrial do interno do PR |  A Rede
Call Now Button
× Fale pelo WhatsApp